Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Roberto Gervitz

Roberto Gervitz

Quando a energia supera as deficiências físicas

"Meu Pé Esquerdo" (lançamento nacional amanhã; pré-estréia em benefício da Legião Brasileira de Assistência, hoje, 20h30m, Cine Astor) não é o primeiro e, por certo, não será o último filme a mostrar o quanto pode a força de vontade, a coragem, a disposição de enfrentar as adversidades fazer pelo ser humano. Afinal, temos o exemplo contemporâneo de Stephen Hawking, que mesmo com doenças seríssimas se tornou um dos maiores cientistas contemporâneos e autor de um livro ("Uma Breve História do Tempo") que há meses está entre os mais vendidos. Sua vida, por certo, pode dar um belo filme.

"Bird" voa e chegam comédias e o terror

Lamentavelmente "Bird", de Clint Eastwood, a profunda biografia do saxofonista Charlie Parker (1920-1955), não resistiu a mais do que 7 dias em exibição no Bristol. Teve a mesma sorte (?) que "O Amor Não Tem Sexo", do inglês Stephen Frears, cinebiografia do dramaturgo Joe Orton (1937-1967), que também ficou apenas uma semana em cartaz. Pelo visto, o público não está sabendo prestigiar filmes importantes, de idéias e que mereceriam permanecer de duas a três semanas em exibição. E ainda os que apontam Curitiba como exemplo de cidade de público culto e civilizado...

A vida (e morte) de Joe, o dramaturgo, no cinema

Enquanto "Dangerous Liaisons", a segunda versão à tela do clássico romance de Pierre Chordelos de Laclos (1741-1803) abriu no último dia 10 o 39o. Festival Internacional de Cinema de Berlim - numa confirmação do talento do inglês Stephen Frears, finalmente reconhecido nos EUA, chega à Curitiba o seu polêmico "O Amor Não Tem Sexo" (Prick Up Your Ears), realizado em 1987 e que vem causando discussões em vários países - ao mesmo tempo que promove uma redescoberta da obra do dramaturgo inglês Joe Orton (1933-1967), biografado neste filme.

"No", do paranaense Duque, venceu no RioCine

Graças a remanescentes em vídeo no sistema VHS, realizados por integrantes da hoje extinta Turma do Balão Magico (frustrada tentativa de agrupar jovens cineastas e videomakers da cidade, que teve sua fase entre 1986/87), o Paraná acabou tendo uma presença, mesmo que tímida, na parte competitiva, em vídeo, do V RioCine Festival, encerrado sábado, 19, no Rio de Janeiro. Altenir Silva (Bolinha), concorreu com seus vídeos "Morcego" (8 minutos) e "Os Agentes" (28 minutos), fotografados por Werner Schulmann, este autor de "Volk" (15 minutos), também em competição.

Cinema para ler

A bibliografia de cinema em português tem crescido, conforme aqui registramos na semana passada, em vários setores: biografias, ensaios e mesmo roteiros de filmes. Este último, pela sua própria especificidade, é ainda o que menos entusiasma os editores, pois só os que realmente se interessam por cinema - inclusive com sonhos profissionais de se tornarem roteiristas ou diretores - é que buscam volumes que tenham a transcrição de toda a parte escrita de um filme.

Um filme cubano, entre terror e a violência, são as estréias

Cinco estréias nesta semana que os exibidores chamam de "tapa-buraco", considerando-se que será na próxima quinta-feira o início da Operação Natal com as produções de maior apelo ao grande público e que permanecerão até meados de fevereiro em cartaz: "Uma cilada para Roger Rabbit" (Astor), "O Casamento dos Trapalhões" e, possivelmente, "Willow - A terra da magia".

Violência, terror e comédia para melhoras as bilheterias

Em época de salas esvaziadas, com o público cada vez mais distante dos cinemas, só produções que tenham o tripé ação-violência-terror conseguem razoáveis bilheterias. Assim, depois de "Rambo III" e "Inferno Vermelho" (agora no Cinema I), duas das poucas grandes bilheterias dos últimos meses, temos cinco estréias capazes de darem uma reação: a violência em "Duro de Matar" (Plaza), "Nico, Acima da Lei" (Astor) e "Braddock III - O Resgate" (Palace Itália), o terror em "Príncipe das Sombras" (São João) e a comédia de "Um Príncipe em Nova Iorque" (Condor).

Uma chance de conhecer o novo cinema soviético

Poucas estréias mas, em compensação, mais um festival de filmes inéditos, vindos para exibições especiais. Desta vez "O cinema soviético dos anos 80", oportunidade para se conhecer o recente cinema da URSS, que começa a ter repercussão internacional - graças, especialmente, a política de abertura da era Grotchev e liberação de obras censuradas ao mesmo tempo que se possibilita aos realizadores maior liberdade de criação.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br