Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS O Grande Circo Místico

O Grande Circo Místico

Artigo em 07.06.1992

Ex-presidente do IPPUC e ex-diretor técnico da COHAB-CT, dono de um dos melhores currículos na área de planejamento, o arquiteto Omar Akel comandou uma equipe de 17 profissionais que elaborou um novo Plano Diretor para Cascavel, já entregue ao prefeito Salazar. O plano espalha-se ao longo de um volume de 160 páginas, com mapas, gráficos e projeções para disciplinar o desenvolvimento da Cascavel - hoje com população ao redor de 200 mil habitantes, 95% dos quais na área urbana. xxx

The Best of Brazil, a personalidade recondicionada para consumo externo

Durante anos um dos negócios alternativos lucrativos para quem desejava estabelecer-se numa área paralelamente cultural era a de comercializar discos antigos. Afinal, era só nos "sebos" que se poderia encontrar discos editados há 10, 15 ou 30 anos e que, retirados de catálogos, esgotados, tornavam-se "collector's itens". Disto aproveitavam-se alguns donos de "sebos", cotando em somas elevadíssimas as raridades mais procuradas.

A ciranda do poder

Foi em Paris, durante um dos muitos jantares cinco estrelas, com vinho da melhor safra, no apartamento-estúdio do pintor Juarez Machado - e preparados por sua esposa, Eliete - que o governador eleito Roberto Requião e Maristela, aconselharam-se sobre mudanças nas artes plásticas do Paraná. Como Juarez não iria trocar os US$ 30 mil que fatura (no mínimo) mensalmente na Cidade Luz para vir assumir a direção do Museu de Arte Contemporânea, lembrou o nome de seu maior amigo no Paraná, João Osório Brzezinski, 51 anos, como o nome ideal para dirigir o MAC.

"Flicts", o ballet de muitas cores

Publicado em 1970, "Flicts" transformou-se na mais lírica e conhecida obra infantil do mineiro Ziraldo Alves Pinto. Dois anos depois ganhava uma adaptação de Aderbal Júnior para teatro e desde então tem sido um dos espetáculos infantis mais representados em palcos brasileiros.

Ballet Guaíra, 20 anos

A propósito dos 20 anos do Ballet Guaíra, comemorados com duas apresentações de "O Grande Circo Místico", mais algumas observações que deveriam ter saído na coluna de terça-feira. Mas que ainda valem serem registradas.

O circo místico (e mágico) na maturidade de um ballet

Mesmo não tendo subido no palco do auditório Bento Munhoz da Rocha Neto para receberem placas comemorativas aos 20 anos de existência do Ballet Guaíra, duas pessoas foram cumprimentadas por todos que conhecem e acompanham a nossa vida cultural.

Em duas décadas, roteiro equilibrado e de trabalho

Três bailarinas - duas delas afastadas dos palcos - estavam particularmente emocionadas na noite de sábado: Aline Jambay e Maria Jacira Amaral foram duas das nove jovens que, nas noites de 12 a 14 de setembro de 1969, participaram da primeira temporada do então Corpo de Baile da Fundação Teatro Guaíra.

Mesmo ferido, Rubinho deu o show com o Zimbo

O baterista Rubens Barsotti deu um exemplo de profissionalismo na fria noite de terça-feira, 14. Saindo do hotel Mabu e dirigindo-se, a pé, para o Auditório Salvador de Ferrante, o guarda iniciou que ele deveria entrar por uma das portas laterais, no setor administrativo. Só que por falta de iluminação, Rubinho não viu uma pesada corrente que ali é estendida à noite - para evitar o estacionamento de veículos - e literalmente esborrachou-se no chão. "A corrente funcionou como uma alavanca e eu voei", comentava, momentos depois, gemendo de dores, no camarim do teatro. xxx

Uma lua inspirada no ballet de Chico e Edu

Do ballet, como espetáculo, caberá aos (poucos) críticos especialistas - que estão vindo assisti-lo, a convite oficial - registrar suas opiniões profissionais. Para o público que lotou, a estréia na noite de quinta-feira, 21, houve deslumbramento e aplausos. O espetáculo é bonito. Colorido, formas e sons num encantamento que faz com que o Ballet Guaíra seja, ainda, o único grupo da arte paranaense com algumas condições de não fazer feio em suas apresentações fora dos limites estaduais.

No campo de batalha

O advogado Constantino Viaro, 50 anos, não pôde receber os cumprimentos pela montagem de "Dança da Meia Lua". É que o superintendente da Fundação Teatro Guaíra, 7 horas antes da estréia do espetáculo foi atropelado na Rua Cruz Machado, quando saía da Secretaria da Cultura, [e foi parar] no hospital. xxx
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br