Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Paulinho da Viola

Paulinho da Viola

GENTE

Benil Santos foi durante muito tempo - entre 1958-67, principalmente um nome muito familiar aos disc-jockeys e estudiosos de música popular brasileira: ao lado de José Scatena (hoje dono da Prova, um dos mais sofisticados estúdios de Som & Imagem de São Paulo), foi o diretor da RGE, em sua melhor fase. Produziu onze lps de Maysa no auge de seu sucesso, antológicos álbuns instrumentais e lançou muitos artistas hoje famosos. Também como compositor, fez músicas - algumas até hoje constantemente gravadas.

PALCOS/SOM/IMAGEM

A aparência agradável e jovial, do rapaz que a partir de 1958 integrou o lado mais sadio e talentoso do movimento de renovação da musica popular brasileira: "A Bossa Nova desapareceu porque não era uma entidade: entidade é um Antônio Carlos Jobim, um Sérgio Ricardo, um Vinícius de Moraes, um Carlos Lyra". E acrescenta: "Não estou preocupado em fazer música de consumo no momento de mediocridade porque passamos: - prefiro armazenar, reservar minhas músicas para um novo momento, que deve acontecer".

Palco/ Som/ Imagem

BENIL Santos, compositor inspirado, ex-produtor da RGE, quando José Scatena dirigia aquela gravadora, hoje um dos empresários artísticos de maior visão em nosso País (foi o homem que bolou a solução dos "circuitos universitários") deve passar por Curitiba na próxima semana, de retorno de Laguna, onde tem comparecido semanalmente. É que o Laguna Tourist Hotel está investindo Cr$ 25 mil por semana na contratação dos maiores nomes da MPB, para Shows em fins-de-semana. * Benil trará a Curitiba ainda este mês, de 22 a 25, o grupo vocal MPB-4, para temporada no Paiol.

MÚSICA

A presença do sambista Zuzuca entre os produtores da CBS, tem garantido a edição de uma série de álbuns de musica popular, com pequenos conjuntos que embora apresentados anonimamente, sem os merecidos destaques, demonstram muito ritmo e bom gosto na escolha de seus repertórios incluindo composições próprias, muitas vezes ou dos autênticos (até que pontos?

MÚSICA

de uma coisa, ao menos o grupo Imperiais do Ritmo não pode ser acusado: falta de gosto na escolha do repertório. Pois em seu primeiro lp (Continental, SLP-10.087, janeiro-73) a seleção começa com o clássico "Cidade Maravilhosa" de André Filho, inclui temas de Herivelto Martins - Grande Otelo (Praça Onze), Wilson Batista - Haroldo Lobo (Emilia), Aldo Cabral - Benedito Lacerda (Despedida de Mangueira), Noel Rosa - Kid Pepe (O Orvalho vem caindo) e Roberto Martins (Meu consolo é você).
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br