Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Paulinho da Viola

Paulinho da Viola

Portela e Clementina, os documentos indispensáveis

Apesar de ter deixado a direção da Divisão de Música Popular da Funarte há um mês, Hermínio Bello de Carvalho ainda mostra sua competência: além de estarem saindo mais dois livros e elepês com a Velha Guarda da Portela e Clementina de Jesus, projetos que pessoalmente haviam merecido seu empenho, HBC, no Recife, supervisiona a produção de um livro, "Pernoite", com crônicas de Antônio Maria (Araújo Morais, 1921-1964), acompanhado de um álbum, no qual vários intérpretes rememoram as mais belas canções do autor de "O Amor é a Rosa".

FERCAPO em andamento e o exemplo de Avaré

A próxima edição do FERCAPO - o mais importante festival de música popular do Paraná - terá uma dimensão maior, já que de regional só tem o nome: a cada ano aumenta o número de participantes vindos de todo o país.

Miúcha e Francis num show que devolve a MPB ao Paiol

A responsabilidade sempre foi enorme. Irmã de um monstro sagrado da MPB - Chico, de família de intelectuais e músicos, mulher por muitos anos do "papa" (perdoem o lugar comum, mas não já jeito de evitá-lo) da Bossa Nova - João Gilberto, e mãe também de uma graciosa cantora - Bebel. Portanto, Miúcha é daquelas pessoas a quem, mais do qualquer outra, se cobra uma performance artística maior. Capaz de inibir mesmo a mais segura das pessoas.

Hermínio e o Paraná

Há 24 anos, quando "Rosa de Ouro" foi escolhido como a melhor manifestação em favor da música popular brasileira na única edição que aqui aconteceu da promoção "Pinheiro de Prata", realizada pela Funarte, Hermínio não pode vir receber o troféu. Mas valeu como um reconhecimento local ao seu belíssimo espetáculo (perpetuado em disco, Odeon) no qual ao lado da revalorização do grande Aracy Cortes revelava Clementina de Jesus e cinco criolos de imenso talento - entre eles Paulinho da Viola e Elton Medeiros.

Clara e Paulinho em excelentes reedições

O bom senso parece que chegou nos executivos de algumas gravadoras que estão fazendo o óbvio: promover reedições dos melhores discos. A era do CD estimula remontagens das gravações de intérpretes capazes de alcançar boa vendagem, mas há também o mercado tradicional que anseia entender a chance de possuir gravações, reprocessadas eletronicamente, de intérpretes clássicos. Com isto as raridades do mercado - que chegam a valer até NCz$ 300,00 por parte de colecionadores fanáticos - perdem sua cotação e o público é beneficiado.

Carlinhos, presença amiga de boa música

Carlinhos Vergueiro é uma das pessoas mais estimadas dentro da música brasileira. Prova disto é a força que os melhores compositores sempre deram na carreira deste paulista, 36 anos, 15 de carreira musical e por seu talento, simpatia e, sobretudo, aquela capacidade de fazer amigos, conquistou uma platéia significativa em Curitiba - aqui retornando no próximo dia 17 (Teatro do Paiol e bar Habbeas Corpus).

Alaide, cantora de verdade

Se existe uma definição perfeita para Alaide Costa é a de cantora de câmara. Uma voz fina, afinadíssima, perfeita, única e original - que a faria ser uma artista consagrada, valorizada profissionalmente e sem ter que se preocupar com qualquer problema material se tivesse nascido na Europa ou nos Estados Unidos - e não no Rio de Janeiro (08/12/1935).

Jerzy/Eça, o concerto que precisa acontecer

Ao retornar no domingo para o Rio de Janeiro, o violinista Jerzy Milewski deixou com a produtora Verinha Walflor, a possibilidade de realizar em Curitiba um dos espetáculos mais importantes do ano: o concerto em que une o seu violino ao piano de Luiz Eça, baixo de Luiz Alves e bateria percussão de Robertinho Silva, no qual o jazz e o erudito alcançam um nível artístico raramente visto e ouvido no Brasil.

O canto das mulheres para ajudar a muitos

Mulher, seu nome é canção. A idéia é ampla e antiga: afinal, as musas sempre estiveram presentes em nosso cancioneiro. No nosso e em todos os países nos quais a música reflete o romantismo, os sonhos, o imaginário. Mas os bons temas são eternos e uma nova prova disto é feita com nobres finalidades: o Banco do Brasil bancou a prensagem de 300 mil cópias de um belíssimo álbum duplo - "Há Sempre Um Nome de Mulher" - que está sendo vendido em todas suas agências.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br