Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Projeto Pixinguinha

Projeto Pixinguinha

Exilados

A abertura política não só possibilitou que dezenas de músicas que permaneciam interditadas fossem, finalmente, gravadas ou divulgadas - bem como elepês históricos reaparecessem (exemplo maior: Geraldo Vandré, que continua a ter seus discos, tanto os da Odeon, como da RGE, vendendo como pão quente), mas também permitiu que jovens talentosos de nossa MPB, que por razões políticas se encontravam no Exterior, voltassem ao seu país. E agora eles começam a buscar o seu espaço, após exílios de muitos anos.

Luiz Melodia em Curitiba

Melodia (Luiz Carlos dos Santos, 29 anos) nasceu no Estácio - bairro que cantou num de seus primeiros sucessos gravados por Maria Bethânia - mas gostaria de ser baiano. Tanto é que já passou longas temporadas em Itaparica, distante de tudo e todos. Entre seus primeiros sucessos - e dois discos que não aconteceram (<< Pérola Negra >> , 73 Philips; << Maravilhas Contemporâneas >> . 1976. Sigla/Som Livre), Luiz - O Melodia é herança de seu pai, famoso violonista das rodas do Estácio, Osvaldo Melodia - ficou meio afastado. Em janeiro/75, no << Abertura >> (Globo, SP), tentou o prêmio com << Ébano >> .

Os <<Cameratos>>

JOEL NASCIMENTO (Rio de Janeiro, 1937), bandolinísta, considerado pela crítica como o legítimo sucessor de Jacob Bittencourt, eleito pela revista << Playboy >> , em 1978 e 1979, como o maior instrumentista de cordas do País, começou estudando piano, passou para o acordeon, retorno ao piano, deixou-o pelo cavaquinho e, finalmente, em 1969, passou a estudar bandolim. Cinco anos depois (1974) já participava do acompanhamento de duas músicas gravadas por João Nogueira: << Braço de Boneca >> (João Nogueira/Paulo Cesar Pinheiro) e << De Rosas e Coisas Amigas >> (Ivor Lancellotti).

Observatório

APESAR de estar hoje na coordenadoria de projetos especiais da Funarte, Hermínio Bello de Carvalho, como foi o idealizador do Projeto Pixinguinha é sempre inquérito sobre a continuidade desta iniciativa que abriu um novo espaço cultural - 18,30 horas - e levou legítimos valores da MPB às principais capitais brasileiras.

Joyce & Ivan, as boas atrações prometidas

Duas ótimas opções musicais nos próximos dias, tanto no Paiol, como no Guaíra: Joyce e Ivan Lins. Representativos em seus estilos, cada um buscando uma faixa do mercado, estarao em temporadas rápidas, mostrando composiçoes próprias, de várias fases. Joyce, no Paiol, de 16 a 18 de maio (sexta-feira a domingo), e Ivan Lins, somente 17 e 18, com ingressos de Cr$ 100,00 a Cr$ 300,00. Já no Paiol, a seguir, de 25 a 27 de maio, outra atração musical: a Banda de pau e Corda, formada em 1972, em Refice, e que teve seu quinto elepe, << Pelas Ruas de Recife >> , recentemente lançada pela RCA.

No recital dos Caymmi a homenagem a Carmen Costa

Quando o ministro Jair Soares, da Previdência Social, citou o caso da aposentadoria da cantora Carmen Costa (Carmelina Madriaga) para "ilustrar" a corrupção do INPS, cometeu uma grande injustiça. Mesmo que o processo que daria à criadora de "O Jarro da Saudade" uma magra aposentadoria apresentasse irregularidades, de ordem burocrática, jamais uma artista da dimensão humana e profissional de Carmen Costa poderia ser colocada, via Embratel, como ligada à corrupção.

Os vitrais musicais da suave Rosy Greca

Há nove anos, quando o Diretório Central dos Estudantes da Universidade Católica do Paraná promoveu um festival de MPB, com a participação de estudantes, o júri se mostrava cansado e desinteressado. A mesmice das músicas, com os candidatos apresentando suas músicas "ao estilo de..." Chico, Milton, Roberto Carlos, etc. Nada de original ou criativo. De repente, não mais do que de repente, uma surpresa: uma garotinha tímida, voz suave, encantava a todos. Em sua ingenuidade aparente, trazia uma canção belíssima com uma letra magnífica, apropriadamente intitulada "Concepção".

A volta de Marília

Quase seis anos após ter inaugurado o teatro do Paiol, a 27 de dezembro de 71, junto com Vinicius de Moraes, Toquinho e o Trio Mocotó, a cantora Marilia Medalha volta a Curitiba. Junto com o compositor Zé Ketti (José Flores de Jesus, 56 anos), Marilia Chega hoje à tarde, para, a partir de amanhã, fazer a última temporada do Projeto Pixinguinha.

A cantora do coração & o poeta do povo

Quando na segunda vez que entra no palco, dando (seqüência( ao show musical com o qual se encerra o Projeto Pixinguinha - edição 77, Marília Medalha leva o público a vários minutos de aplausos após cantar "Ponteio", de Edu Lobo/Capinam, por ela defendida no Festival de MPB da Record, há 10 anos.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br