Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Casa Romário Martins

Casa Romário Martins

A boa arte nos cem anos do Curitibano

Com toda razão o advogado Constantino Viaro pode respirar aliviado e tomar um merecidíssimo scotch quando o pianista e maestro Luiz Loy iniciou os acordes de uma dolente valsa já no começo da madrugada de sábado: afinal, as comemorações  do baile do centenário do Clube Curitibano haviam corrido dentro de fluxograma demoradamente pensado pela diretoria.

Em uma centena de boletins, um pouco das memórias de Curitiba

Quando, em julho de 1974, então dividindo com o advogado Constantino Viaro e o arquiteto Alfredo Willer a direção da recém implantada Fundação Cultural de Curitiba, tivemos a idéia de criar uma publicação ágil, econômica e que pudesse divulgar diferentes textos ligados a Curitiba, Valêncio Xavier, homem de TV e pesquisador, que havia sido convidado para nos assessorar (*), trouxe uma idéia das mais oportunas: "Várias gerações de curitibanos colecionaram as figuras das Balas Zequinha mas nunca ninguém se preocupou em pesquisar quem criou o personagem, como ele surgiu".

Modestos, simples, mas referenciais históricos

A maioria dos "Boletins" da Casa Romário Martins estão esgotados. Os que restam são vendidos exclusivamente na Livraria Dario Velloso e na própria Diretoria do Patrimônio Cultural (Rua 13 de Maio, fone 223-2733) ou nas unidades a ela subordinadas. Entre os 98 números publicados há os mais diferentes assuntos - embora sempre ligados a Curitiba. Pode-se, inclusive, discutir a oportunidade e importância de alguns deles -, e, com sinceridade, a própria Maí Mendonça, reconhece que nem sempre a escolha dos assuntos (e autores) "foi a mais adequada".

Graças a Urban, calçadão da Rua das Flores ganha documentação

Mais do que um dos melhores profissionais de nossa imprensa, Raul Guilherme Urban, 40, ex-O Estado do Paraná, hoje associado a Roberto Luiz Jung na Arte & Fotos Editora (especializada na Produção de house organs e publicações especiais) foi sempre um apaixonado estudioso de problemas urbanos.

Noite Vazia (III) - Nilo chorando com a morte da casa pela desordem na Ordem

Entre vários aspectos que o fechamento de endereços noturnos - como o Habeas Coppus e o Crystal - podem justificar numa apreciação mais ampla do que o simples registro está o da própria localização dos chamados eixos-de-animação da cidade. Desde quando presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, na gestão do prefeito Omar Sabbag - com o qual viria a romper por razões técnicas (*), o então modesto arquiteto já se preocupava em que Curitiba tivesse espaços capazes de concentrar comércios específicos, inclusive o da noite.

Um bilhetinho irrita os vereadores curitibanos

Ao pretender "mandar um recado" aos seus ex-colegas da "egrégia Câmara Municipal de Curitiba", o deputado Rafael Greca de Macedo (PDT) acabou colocando mais lenha na fogueira de sua vaidade em pretender ser o sucessor de Jaime Lerner na Prefeitura.

Perfil - Pitella e a última carroça

É preciso sempre redescobrir a cidade. Esta é uma das preocupações do arquiteto Jaime Lerner, desde seus tempos de estudante, longe dos dias de poder e glória que desfruta neste momento. Saber ver a cidade, em suas características, seu comportamento e, especialmente suas pessoas.

No campo de batalha

Ítala Nandi, uma mulher que há 25 anos é intensa em tudo que faz, está na cidade, para apresentar hoje (16h30 e 19h30, auditório Antônio Carlos Kraide, no Centro Cultural do Portão) o vídeo "Índia - O Caminho dos Deuses", que realizou durante uma longa viagem aquele país, em companhia do filho Giuliano.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br