Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Som Livre

Som Livre

Um novo Guedes e novidades para o consumo dos jovens

Renato Costa, advogado, empresário e manager dos mais conceituados no meio artístico - e que acompanhava seu grande amigo Luiz Gonzaga Jr., há um ano, quando de sua temporada no Paraná, sofreu seríssimos ferimentos no acidente que vitimou o grande Gonzaguinha, em 29 de abril. De volta ao campo de batalha, após 10 meses de inúmeras e caríssimas operações, Renato prepara um belo show em homenagem aos dois Gonzagas - "Lua" e o Gonzaguinha - que deve acontecer no final do mês, em Curitiba, com patrocínio do governo Roberto Requião, conforme aqui registramos em primeira mão. xxx

Digestivo som das telenovelas

Tendo nas trilhas sonoras de suas telenovelas a razão maior do super-faturamento que obtém desde que foi criada, a Som Livre, vez por outra anima-se até a fazer projetos de qualidade. Já gravou álbuns com poetas, fez antologias e mesmo trilhas sonoras de filmes marcantes. Mas isto no passado.

Uma reunião para discutir a crise

A produção cinematográfica continua praticamente paralisada. Pouquíssimos filmes em rodagem, embora não faltem projetos. Em São Paulo, a Secretaria da Cultura vai liberar US$ 2 milhões para dez novos longas - ainda está na fase da concorrência dos roteiros e projetos, havendo mais de 150 inscritos. Como se vê, uma briga de foice!

A mineirice do Grande Mentecapto na tela.

Gramado - Mesmo que não saia com o Kikito de melhor filme deste festival porque, afinal, surpresas podem acontecer (e os resultados só foram anunciados na noite de ontem, impossíveis assim de serem registrados neste espaço), "O Grande Mentecapto" obteve a maior aceitação do público - o que o fez o maior favorito ao troféu do júri popular - e entre (muitos) méritos tem o de conseguir aquilo que poucos filmes têm obtido: uma fácil, deliciosa e emocionante comunicação.

No campo de batalha

Maitê Salomão criou a Foco 3 Produções Artísticas e começa trazendo a Curitiba um dos melhores grupos instrumentais do Brasil: Cama de Gato (Teatro do Sesc, de hoje a domingo). Formado por Mauro Senise (sopros), Rique Pantoja (teclados), Pascoal Meireles (bateria) e Arthur Mais (baixo), este grupo já tem prestígio internacional: seus dois primeiros lps (Som Livre) foram lançados na Europa e, em 12 de março, no Town Hall, em Nova Iorque, ganharam muitos aplausos no espetáculo "O Som da Gente", patrocinado pelo Bamerindus.

Mais de 200 candidatos na espera dos troféus

Eis a relação completa dos indicados para o Prêmio Sharp da Música, nas oito categorias. Pop/rock Arranjador: Ari Mendes (lp "Angela Ro Ro", Eldorado); Leo Gandelman (lp "Nico Rezende", WEA) e Portinho (lp "18 anos sem sucesso", com o Joelho de Porco, Eldorado). Revelação masculina: Ed Motta (lp "Ed Motta e Conexão Japeri", WEA); Fábio Fonseca (WEA) e João Figar (3M). Música: "Brasil" (Cazuza, George Israel, Nilo Romero), com Gal Costa; "Faz parte do meu show" (Cazuza/Ladeira, com Cazuza); "Ideologia" (Cazuza/Frejat, com Cazuza).

Miran, excesso de talento na internacional "Gráfica "

Como diz a premiada campanha criada pela Umuarama, para a conta remunerada Bamerindus, Osvaldo Miranda também excede. Justamente em termos criativos, ele que, nestes últimos anos tem participado, aliás, de muitas das melhores campanhas do Bamerindus. O seu excesso, no caso, é a qualidade que conseguiu dar ao último número de sua revista Gráfica (nº 22, dezembro/88), circulando já internacionalmente.

Humor irreverente do Joelho de Porco

Há alguns anos, na primeira (e única) edição da Feira do Humor de Curitiba, houve uma noite para se debater o humor na MPB. Entre os convidados, Tarik de Souza, um dos mais respeitados jornalistas da área musical, fez uma bem cuidada exposição mostrando a importância do humor em nosso cancioneiro. Um tema que pode render todo um livro, tal as múltiplas experiências que têm acontecido ao longo de quase um século de MPB.

Melodia Sentimental de Olivia Byington

Livre e transparente, surge no disco de Olivia Byington, "Novo, e com a minha cara", diz ela, cara feliz, com a tranqüilidade do artista que se encontra com sua essência que "cria por necessidade de criar", sem concessões, "como quem pinta um quadro, como quem escreve um poema". Melodia Sentimental, o LP é música de câmara. Requintado e popular. E conversa de poucos (e ótimos) instrumentos, recuperando o clima de recital que Olivia, com seu companheiro Edgar Duvivier no sax, levou dois anos a cantar nos palcos mais diversos, para casas cada vez mais cheias.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br