Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Colégio Estadual do Paraná

Colégio Estadual do Paraná

Paixão de Bach pode ganhar vídeo no Sir

Preocupado basicamente com a operacionalidade comercial de seus moderníssimos estúdios de cinema, vídeo e áudio, eventualmente Percy Tamplim confidencia a amigos mais chegados o desejo de fazer produções artísticas. "Só que para isto, é necessário um esquema a parte - e só farei cinema quando tiver uma total tranqüilidade", costuma dizer para justificar sua recusa, até hoje, em associar-se a aventuras na ficção filmada.

Na Broadway e cinema, o som da música dos Trapp

Uma data que merece ser lembrada para a cronologia musical da Curitiba do passado: há exatamente 40 anos - 9 de maio de 1950 - no "Teatro do Colégio Estadual do Paraná"- que havia sido inaugurado há poucos meses - apresentava-se o Côro Trapp. Era o 142º concerto que a ativíssima SCABI - Sociedade de Cultura Artística Brasil Itiberê promovia em apenas seis anos - e trazia um conjunto vocal, formado por uma única família, que desde 1946 apresentava-se regularmente nos Estados Unidos. xxx

Uma homenagem ao antigo Gymnásio

A história do antigo Gymnásio está diretamente associada à da própria comunidade paranaense, sobretudo a curitibana, já que seus ex-alunos conseguiram - em sua grande maioria - projetar-se nas diversas carreiras profissionais que escolheram e se dedicaram. Assim como os mais renomados professores ditavam a formação intermediária no exigente colégio da época, seus estudantes souberam assimilar tal experiência para ajudar a ilustrar a história do Estado.

Maranhão, o homem de nosso teatro amador

Em dezembro, o Teatro do Estudante do Paraná apresenta uma nova peça - "A Morta Viva". Após uma curta temporada no miniauditório Glauco Flores de Sá Brito, estará sendo levada a Feira de Santana, na Bahia. Seria apenas um pequeno registro, se não tivesse um detalhe: significa que o mais antigo grupo de teatro amador do Paraná continua em atividade - e com ele também o seu fundador e principal animador, Armando Maranhão, 61 anos, completados dia 18 de junho último, 42 de atividades artísticas. Em sua modéstia nordestina, tranqüilo, Maranhão é discreto:

Mussa, esse grande cidadão curitibano

Protegido pelo vidro na mesa que ocupa há 25 anos na redação de O Estado - e da qual só está afastado há cinco meses, por ter assumido a Secretaria da Comunicação Social - o jornalista Mussa José Assis sempre espelhou-se num texto curti, objetivo, em que Ernest Hemingway (1899-1961) fala de que antes de ser um escritor, sempre se considerou um repórter.

Centenário de Guido Straube, um homem que amou a nossa natureza

É lamentável que os recursos do setor de editoração da Secretaria da Cultura sejam limitados pois muitas obras importantes para o melhor conhecimento de nosso Estado continuam inéditas - sem maiores chances de ganharem publicação. Só o professor Ernani Costa Straube tem dois livros prontos, que mereceriam publicação: um é a história do próprio prédio da Secretaria da Cultura, antigo Gymnasium Paranaense, objeto de uma detalhadíssima pesquisa, ilustrada com dezenas de fotografias. Os originais encontram-se há mais de um ano na Secretaria.

Ernani, conservando a grande obra do pai

Como o pai Guido, seu pai, os irmãos Guido e Rubens formaram-se em odontologia. Ernani, o filho mais moço, preferiu a farmácia, mas foi quem acabou professor no Colégio Estadual do Paraná. Como seu pai, também chegou a diretor do maior estabelecimento de ensino do Paraná, ali permanecendo entre fevereiro de 1966 a agosto de 1969. - "Nunca pretendi tanto. Mas ocupar funções que meu pai exerceu com zelo e dedicação foi mais do que um trabalho, uma missão" - recordou o professor Ernani Straube ao gravar seu depoimento para o projeto Memória Histórica do Paraná.

Clube Paranaense, a terceira (esquecida) rádio do Brasil

No primeiro programa da série "O Rádio no Brasil", produzido há dois anos pela BBC de Londres e agora editado em uma caixa de cinco elepês, o pesquisador Luís Carlos Saroldi, autor do livro "Rádio Nacional, o Brasil em Sintonia", e principal pesquisador destes programas, esclarece um ponto importante: em 6 de abril de 1919 - portanto, três anos antes da primeira apresentação pública da rádio, feita em 7 de setembro de 1922, no Rio de Janeiro - os irmãos Moreira Pinto, de Recife, faziam as primeiras experiências da Rádio Clube de Pernambuco.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br