Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Grande Otelo

Grande Otelo

Merecida homenagem para os 41 anos de cinema de Khouri

Gramado Hoje a noite, no cine Embaixador, antes da exibição dos últimos três curtas ("Bastidores", de Carla Camurati; "Viver a Vida", de Tata Amaral e "A Verdade", de Nelson Nadotti) e do longa "Sampaku - O Olho da ambição" de José Joffily, que disputam a premiação, será prestada uma merecida homenagem: a entrega do Troféu Oscarito, instituído pela Fundação Banco do Brasil, para o cineasta Walter Hugo Khouri (no ano passado, o homenageado foi Grande Otelo).

Inédito de Ary Barroso gravado pela Revivendo

Além de 22 históricos fonogramas, com registros que vão desde os Hinos à Bandeira Nacional (1906) e o "Hino Nacional Brasileiro" (1822), até "Isso é Brasil" (1947, José Maria de Abreu / Luiz Peixoto), a arqueologia ufanista promovida por Leon Barg incluiu uma faixa inédita. Trata-se de "Onde o Sol Doira as Espigas" (1944), samba de Ary Barroso (1903-1964), que só foi cantado no rádio duas vezes pelo cantor Moraes Neto em 1944. Hoje aos 73 anos, residindo em Curitiba desde 1989, Moraes Neto contou a Leon Barg sobre esta música inédita do grande Ary, que sofreu a censura na época.

"Parabéns, Noel" na Rádio Estadual

Com o avant-premiére de ontem, a Rádio Estadual estará apresentando todos os dias, às 12 horas, a série "Parabéns, Noel!", até a véspera do Natal. A programação é a seguinte:

O reconhecimento ao trabalho de Leon, o garimpeiro da MPB

Há menos de dois anos, quando lançou o primeiro pacote de sua etiqueta "Revivendo", o produtor Leon Barg se mostrava ressabiado: - "Haveria público para reedições de velhas matrizes em 78 rpm com intérpretes da MPB menos famosos?"

Filó, um talento que merece ser aplaudido

Filó (José Sérgio Machado), paulista de Ribeirão Preto, 39 anos completados no último dia 3 de fevereiro, é o exemplo daqueles talentos marginalizados pela (injusta) máquina do show buzines. Dono de uma voz personalíssima, compositor dos mais inspirados, apesar de já ter gravado dois elepês, é ainda pouco conhecido fora da noite paulista. Miudinho, lembrando até o Grande Otelo, este artista simpático e comunicativo, transforma-se quando, violão na mão, se põe a cantar. Sua voz é afinada e seu repertório lindíssimo.

Graças a Lucas, filmes que não chegariam ao circuitão

Enquanto as majors - CIC, MGM, Warner, Columbia, etc. - concentram suas atrações em filmes consagrados, produções que, quando de seus lançamentos nos circuitos de 35mm ganharam grande promoção - e têm assim, um recall junto à faixa acima dos 30 anos - e uma natural curiosidade aos que não assistiram na época, algumas distribuidoras têm, salutarmente, se voltado para produções independentes, que não chegariam ao Brasil no circuitão. São produções modestas, que mesmo em seus países de origem não obtiveram a repercussão - mas que nem por isto devem deixar de interessar a quem gosta de cinema.

Boca de Ouro, Spielberg e Harry & Sally

Várias - e atraentes - opções nas telas. De princípio, um fato altamente significativo: o lançamento nacional (junto com outras praças) de uma produção brasileira de um milhão de dólares: "Boca de Ouro", refilmagem que o tv-man Walter Avancini, em sua estréia como diretor de cinema em 43 anos de teatro e novelas, realizou da famosa peça de Nelson Rodrigues. O filme reúne nomes consagrados da tevê, como Tarcísio Meira, Cláudia Raia, Osmar Prado e traz, numa tentativa de mostrar que é (?) atriz, a modelo Luma de Oliveira.

Ofensas a Dalva não tiram iluminada alegria de Pery

Pery Ribeiro estava feliz na quinta-feira, 8, durante as horas que passou em Curitiba. A homenagem prestada a sua mãe, a cantora Dalva de Oliveira (Vicentina de Paula Oliveira, 1917-1972), com a edição do álbum duplo "Estrela... Saudade" (Revivendo, março/90), apresentado oficialmente em solenidade na Sala Antonio Mililo da Secretaria da Cultura foi um justo reconhecimento ao talento de uma das maiores cantoras brasileiras.

Joyce ao vivo. Maravilhosa!

O canto das mulheres continua belo. Independente das superstars Simone, Beth Carvalho e Marina - há outros discos marcantes, de gente da maior competência. Joyce, por exemplo, após dois álbuns-homenagem (a Vinícius de Moraes e Antônio Carlos Jobim), optou por uma gravação longe dos estúdios: "Joyce ao Vivo", gravado no Teatro Clara Nunes, Rio de Janeiro, nas noites de 13 e 14 de março de 1989, a partir do show roteirizado e dirigido por Túlio Feliciano, revela exatamente a intenção da cantora, passando uma intensa vibração e emoção.

"O Preço da Paixão" é a melhor estréia da semana

Depois de "Cegos, Surdos e Loucos" (Cine Plaza, 3ª semana), temos "De Médico e Louco todo Mundo Tem um Pouco" (Cine Condor) - o que bem exemplifica uma linha de comédias digestivas, amalucadas, mas realizadas com bom senso de marketing. E numa época em que é preciso conquistar o público cada vez mais arredio das salas, estes produtos cumprem sua função - embora não se deva esperar muito em termos artísticos. Afinal, são projetos de target certo, descartáveis em pouco tempo após cumprir o ciclo cinema/vídeo/televisão.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br