Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Dalva de Oliveira

Dalva de Oliveira

A família Caymmi, o nosso maior patrimônio musical

Artur Xexéo, nosso bom amigo, jornalista do primeiro time do "JB", escreveu um texto preciso, excelente sobre um disco que, seguramente, estará em nossa relação dos dez melhores lançamentos do ano: "Família Caymmi em Montreaux"(Polygram, abril/92).

Roxo collorido motiva as duas marchas satíricas do Carnaval

Apenas duas músicas do Carnaval deste ano - uma delas, sem condições técnicas de obter divulgação já que o disco passou a ser distribuído apenas há uma semana - fazem uma abordagem satírica em torno do presidente Collor. E, afinal satirizar os donos do poder sempre foi a ferroada preferida dos grandes autores de nosso Carnaval desde os tempos de Chiquinha Gonzaga.

Chico Viola, Orlando, Carmen e muitas outras vozes eternas

De certa forma, cada uma das etiquetas que se especializaram em reedições históricas refletem um pouco das preferências e visão de marketing de seus proprietários - colecionadores e profundos conhecedores da música brasileira do passado.

Ademilde, 70 anos, com a maior agilidade vocal

Uma das fórmulas para apresentar intérpretes variados da velha guarda em trabalhos de reedição não deixa de ser aquela forma de "os grande sucessos...". A Moto Discos não foge à regra, e assim, em seu catalogo, dispõe de vários títulos agrupando ao total mais de 400 artistas, de diferentes estilos e gêneros, mas que sempre tornam-se importantes ser reapreciados pelos mais velhos - e revelados a uma nova geração disposta a perceber a beleza de nossa música do passado.

Selma Reis, a confirmação do novo talento feminino

No ano passado, entre as boas estréias fonográficas, esteve Selma Reis, fluminense de São Gonçalo, 33 anos, que ganhou de Mauro Dias, em "O Globo", um justo comentário: "a melhor voz das últimas duas décadas". Aldir Blanc, vozes. "A gente ouve Selma Reis e pensa no auditório da Rádio Nacional em dia de gala. Selma está linda, nos bastidores, aguardando a vez de cantar. Conversa com Dalva de Oliveira, Dircinha, Linda, e, é claro, Angela Maria".

Inédito de Ary Barroso gravado pela Revivendo

Além de 22 históricos fonogramas, com registros que vão desde os Hinos à Bandeira Nacional (1906) e o "Hino Nacional Brasileiro" (1822), até "Isso é Brasil" (1947, José Maria de Abreu / Luiz Peixoto), a arqueologia ufanista promovida por Leon Barg incluiu uma faixa inédita. Trata-se de "Onde o Sol Doira as Espigas" (1944), samba de Ary Barroso (1903-1964), que só foi cantado no rádio duas vezes pelo cantor Moraes Neto em 1944. Hoje aos 73 anos, residindo em Curitiba desde 1989, Moraes Neto contou a Leon Barg sobre esta música inédita do grande Ary, que sofreu a censura na época.

Viagem ao tempo dos boleros e tangos com Vargas e Libertad

Há algumas semanas, quando o jornalista Irlam Rocha Lima, um dos mais importantes críticos de música de Brasília, foi entrevistar para a revista de vanguarda "Bric-a-Brac" o compositor Caetano Veloso, o encontrou em sua casa, no rio de Janeiro, rodeado de gravações históricas de música popular, editadas pela etiqueta Revivendo.

Josué e Zequinha, réquiem para músicos da província

Paralelamente ao crescimento da bibliografia da música brasileira, estimulada com o fato de que os dois mais importantes livros lançados em 1990 - "Chega de Saudade - A História e as Estórias da Bossa Nova" de Ruy Castro (Companhia das Letras, 463 páginas) e Noel Rosa: Uma Biografia" de João Máximo e Carlos Didier (Editora da Universidade de Brasília, 533 páginas) estarem tendo sucessivas edições esgotadas - acontecem também publicações menos badaladas - mas igualmente importantes.

O envelhecido canto de nossos carnavais

Quem conheceu Alberto Cunha, durante décadas o representante das antigas sociedades de direitos autorais em Curitiba, lembra-se de que na época do Carnaval, ele ficava ainda com maior mau humor. É que recebia insistentes telefonemas de centenas de compositores cariocas preocupados na catituagem de suas músicas com vistas a obterem maior divulgação no período carnavalesco. Na época, os grossos álbuns da UBC, Sbacem, Sadembra e outras sociedades arrecadadoras chegavam a atingir mais de 500 páginas.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br