Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Egberto Gismonti

Egberto Gismonti

Artes Plásticas - A "casa" sonora com o talento de Bosco

Se o eterno Vinicius de Moraes, em momento de maior inspiração construiu uma "Casa" surrealista, no delicioso "Arca de Noé", (volume I) com imagens magníficas, uma década depois o percussionista e compositor Marcos Bosco retoma também uma hipotética habitação para tema central de seu terceiro lp - o primeiro a ter uma distribuição regular no Brasil: "Fragmentos da Casa" (Carmo, maio/86, distribuição Odeon-Fonobrás).

"Toda Uma Vida", o melhor programa

A reprise de um filme de 1974, já visto em diferentes ocasiões em várias salas, se constitui na mais interessante programação desta semana sem estréias importantes. "Toda Uma Vida", que Claude Lelouch realizou há 12 anos passados foi, de certa forma, o ponto de partida para uma nova fase em sua carreira: um cinema panorâmico, com ações múltiplas desenvolvidas ao longo de várias décadas. Uma fórmula que Lelouch desenvolveria ainda mais em "Retratos da Vida" (Les Uns et Les Autres), de 1980 - seu maior êxito de bilheteria - e que só em Curitiba ficou seis meses em cartaz no Cinema I.

As muitas releituras de Villa-Lobos

A perenidade de Heitor Villa-Lobos, cujo centenário de nascimento (Rio de Janeiro, 5 de março de 1887) já começa a merecer programações antecipadas, se faz sentir nas múltiplas revisões de sua obra. Quatro excelentes LPs, cada um à sua maneira, mostram a grandiosidade da música desse compositor falecido há 27 anos (17/11/1959) e que deixou uma obra imensa, perpetuada no Museu com o seu nome - até o ano passado dirigido por sua viúva, dona Mindinha, uma das perdas de 1985.

Raoni, o cacique que ajuda Ruschi, no Groff

Francisco Alves dos Santos, coordenador da área de cinema da Fundação Cultural, tem sabido programar os filmes certos na hora exata não só na Cinemateca mas também no Ritz, Luz e Groff. Assim, não perde oportunidade de trazer aqueles filmes que circunstancialmente ganham atualidade.

Ritmo do balé

William Senna, mineiro de Rio Casca, 39 anos, é a outra grande revelação de violinista e compositor: em "O Homem do Madeiro", produção de Egberto Gismonti, pelo selo Carmo, William mostra dez composições das mais expressivas, nas quais emprega o violão, o corrupio e a voz, tendo a participação de Gismonti nos teclados em "Ventre da Lua" e "Porã" e no segundo violão em "Colméia", enquanto Dulce Bressane, com sua acariciante voz (e é uma pena que ela não faça um disco como cantora) em "Horizonte" e "Porã".

O grande Miles Davis (de ontem e de hoje)

Assim como o brasileiro Egberto Gismonti renova-se a cada ano e quando um novo disco já tem dois outros à frente (normalmente lançados inicialmente no Exterior) , o americano Miles Dewey Davis (Alton, Illinois, 25/5/1926) está sempre um passo dentro do futuro. Como diz produtor executivo de "Decory (CBS, sem pen'7ltimo elepê, lançado nos EUA em junho/84, ainda inédito no Brasil): _ "Miles não olha para trás".

Verificar

ARAMIS MILLARCH Jornalista; é membro dos júri PLAYBOY, MPB e Troféu Chiquinha Gonzaga. 1. Os 10 melhores lançamentos de jazz no Brasil em 1984 1. SUPERSAX & L.A. VOICES- CBS 2. THE VERVE YEARS (1950/51) – Charlie parker (Verve/Poligran) 3. SWING SHOW – várias big bands (RCA) 4. THE PARIS CONCERT – EDITION TWO – Bill Evans (Elektra/Musician/WEA) 5. ELLA FITZGERALD SINGS THE RODGERS AND HART SONGBOOK – Verv/Polygran). 6. JAZZ AT OBERLIN – Dave Brubeck (Fantasy/Barclay) 7. GEORGE SHEARING AND THE MONTGOMERY BROTHERS – (Riverside/Barclay)
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br