Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Maria Bethânia

Maria Bethânia

No campo de batalha

No mesmo dia em que Maria Bethânia fazia o lançamento de seu novo disco em Porto Alegre, os gaúchos lembrando, com toda razão, o 5º aniversário da morte de Elis Regina, morta aos 35 anos, em São Paulo. Programas especiais nas rádios e algumas televisões de Porto Alegre focalizando a "Pimentinha", que continua a ser uma das cantoras mais procuradas, em discos e fitas, nas lojas de todo o País. xxx

Tempo de promoção para a música 87

O boom na indústria fonográfica em 1986, provocando uma demanda muito além da capacidade de produção das fábricas de discos não fez as gravadoras dormirem sobre os louros. Sabendo de que pelo próprio produto oferecido as variações do mercado são inesperadas, quatro multinacionais do setor começam 1987 com vigorosos planos de marketing em favor de seus contratados.

DECLARAÇÃO DE VOTO

Sem considerar os elepês de Beth Carvalho e Maria Bethânia - que, lançados neste finalzinho de ano, ainda não chegaram aos nossos ouvidos - pode-se dizer que 1986 foi, mais uma vez, um ano de canto das mulheres. A começar pelo retorno, há tanto ansiosamente aguardado, da Divina Elizeth Cardoso, 66 anos, que num álbum comemorativo aos seus 50 anos de carreira, foi carinhosamente produzido pelo seu mais ardoroso fã, o poeta e animador cultural Hermínio Bello de Carvalho.

Os múltiplos talentos do bom baiano Leonel

A individual do pintor potiguar-baiano Leonel flores Brayner, 49 anos, hoje, na Galeria Momento-Arte se constitui num dos eventos da semana. Embora coincidindo com dois outros badalativos acontecimentos - o coquetel de comemoração do 7º aniversário da revista "Quem" e a estréia de "Feliz Páscoa", de Jean Poiret, com Paulo Autran, no Guaíra - a mostra do criativo artísta plástico nordestino deverá ser prestigiada por uma multidão de amigos.

Elizeth Divina, o amor como sempre

"Artista o teu nome já nasce na lista dos que vão brilhar, luz e esplendor É marca divina, sagrado calor que nos ilumina as canções de amor" ("Luz e Esplendor", Walter Queiroz) A expectativa não poderia ser maior. Sem gravar há quase cinco anos, aos 66 anos - completados no último dia 16 de julho, os 50 anos de carreira de Elizeth Moreira Cardoso não poderiam passar em brancas nuvens.

Geléia Geral

Nelson Gonçalves (Santana do Livramento, RS, 21/6/1919), em 45 anos de carreira, nunca saiu da RCA e se orgulha de ser um dos artistas a ter maior númeor de gravações em catálogo. Des seus 105 elepês e mais de 500 gravações avulsas (78 rpm/compactos), pelo menos a metade continua a vender como pão quente, enquanto que ele, em plena forma, não pára de cantar. Nos últimos anos, afinal, nelson passou a se preocupar em melhorar o repertório e sofisticar as produções.

As ocorrências de Capiba e as memórias de Caetano

Personificação da música pernambucana, o grande Capiba - Lourenço da Fonseca Barbosa, mereceu, há dois anos, quando fez seus 80 anos, uma série de homenagens. Afora as comemorações no dia de seu aniversário - 28 de outubro - seguiram-se outras que, de certa forma, estende-se até agora. Seu grande amigo e admirador, Hermínio Bello de Carvalho, produziu um belíssimo disco e sendo tema do concurso de monografias Lucio Rangel, teve um estudo sobre sua vida e obra - que ainda neste segundo semestre será lançado pela Funarte.

Geléia Geral

A prosperidade fonográfica está sendo tão grande neste 1986 post-Cruzado, com vendas acima do que previam os mais otimistas diretores de marketing das gravadoras, que novos produtos - como os artistas são tratados na linguagem fria dos executivos do setor - são mensalmente lançados na praça. Os que vendem tem caminho aberto para as novas produções, enquanto aqueles que empacam não chegam a abalar as finanças das gravadoras.

Um homem, uma mulher

GOMES, O EDITOR - Roberto Gomes, 41 anos, catarinense de Blumenau, curitibano por opção - aqui chegou há 20 anos - trocou uma carreira no magistério pelo difícil desafio de se tornar editor no Paraná. Num mercado em que as tentativas formam uma crônica de frustrações, a Criar Edições, é um exemplo salutar: 29 títulos lançados em quatro anos e hoje uma distribuição nacional, que fazem seus lançamentos ocuparem cada vez mais um espaço merecido.

João Gilberto e a maravilhosa neurose em busca da perfeição

A história se repete. Como em junho de 1981, quando, dentro de um clima de mistério e muitos segredos, finalmente era lançado "Brasil", as páginas dos mais importantes veículos da imprensa brasileira abriram-se espontaneamente para saudar o retorno de João Gilberto ao disco. E na companhia de três outros ilustres baianos: Caetano Velloso, Gilberto Gil e Maria Bethania - num projeto que teve uma cara gestação de nove meses entre São Paulo-Rio-Nova Iorque, até atingir a perfeição que João sempre procura.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br