Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Roberto Requião

Roberto Requião

A grande missão de Luiz Gonzaga Júnior

Levado por um de seus melhores amigos no Paraná, o radialista, jornalista e compositor Cláudio Ribeiro, o compositor Luiz Gonzaga Júnior teve um encontro na manhã de ontem com o governador Roberto Requião.

No campo de batalha

Uma das primeiras pessoas convocadas para integrar a equipe de comunicação, como mestre de cerimonias em eventos populares, no Palácio Iguaçu, foi o radialista Cláudio Ribeiro. Durante a campanha, o bom Cláudio passou o tempo todo viajando com o governador Roberto Requião, que pode sentir sua dedicação. Cláudio, compositor com boa obra, foi quem implantou o setor de Música Popular da Secretaria da Cultura, que agora finalmente, deve voltar a funcionar com as substituições das Coordenadorias daquela pasta. xxx

Filme catástrofe na cultura curitibana

No explosivo ano de 1968, quando Paris estava em chamas pelos protestos populares, a injusta demissão do homem que havia salvado o patrimônio cinematográfico da Europa, o conservador da "Cinematheque Française", Henri Langlois (Esmirna, Turquia, 1914 - Paris, 1977) colocou mais lenha na fogueira.

O muito que a Biblioteca soube fazer pela Cultura

A bibliotecária Sônia Maria Breda deixa a direção da Biblioteca Pública do Paraná - que ocupou por 4 anos - com um expressivo saldo de realizações, merecendo respeito, admiração e cumprimentos pelo bonito trabalho que ali soube desenvolver.

Parada obrigatória para pensar

"Começaria tudo outra vez Se preciso fosse, meu amor A chama em meu peito ainda queima, Saiba, nada foi em vão!" (1975) Parada Número Um - Sábado, 20 de abril de 1991, 12 horas. Em meu escritório, ao qual afetivamente chamo de "Estúdio Vinícius de Moraes", na Rua , 24 de Maio, trabalho em alguns textos, quando sou surpreendido com a chegada de um dos melhores amigos, o incansável animador cultural, radialista e compositor Cláudio Ribeiro. Cumprimentando-me, vai dizendo: - "Trouxe uma visita de surpresa. Que você vai gostar...".

Juarez, o anfitrião de Requião em Paris

O próspero marchand-de-tablaux e arquiteto Waldir Assis telefonou para o seu amigo Juarez Machado, em Paris, na semana passada e surpreendeu-se com uma voz diferente, atendendo ao telefone: - "Monsieur Juarez Machado não está. Quem fala é o mordomo".

Viaro deixa Teatro Guaíra por excesso de burocracia

Enquanto pessoas incompetentes e despreparadas agarram-se ao poder na área cultural do município, o governo Roberto Requião registra sua primeira perda: sexta-feira, às 16h45, o advogado Constantino Baptista Viaro, 51 anos, entregou nas mãos da secretária Gilda Poli, da Cultura, a sua carta com pedido de demissão, irrevogável, da Superintendência da Fundação Teatro Guaíra.

Afinal, o Paraná vai ganhar seu dicionário histórico-biográfico

Graças à visão de um executivo da área financeira e o trabalho de um grupo de professores e intelectuais, o Paraná ganhará, ainda neste primeiro trimestre, a mais importante obra referencial: um Dicionário Histórico-Biográfico. Concluída há apenas uma semana a coordenação de quase 700 verbetes, os originais estão sendo preparados editorialmente para serem encaminhados à parte industrial - com possibilidades do volume (ainda não foi definido se o trabalho ocupará um ou dois tomos) possa circular, se possível, antes do final de março.

Marcelo, a arte maior como ampla realização

Passados três meses de vacas magríssimas em termos de espetáculos, a temporada artística abre com opções a diferentes predileções. Marcelo Marchioro, 38 anos, o mais importante nome do teatro paranaense - de projeção nacional pela seriedade e competência de seu trabalho, tem nesta semana, o revival de duas excelentes montagens que fez no ano passado para a Fundação Teatro Guaíra: a peça "As Bruxas de Salém", de Arthur Miller (Auditório Salvador de Ferrante - até o dia 4 de abril), e a ópera "O Barbeiro de Sevilha", de Rossini (Auditório Bento Munhoz da Rocha Neto - 14 a 17).

No campo de batalha

Um destaque que deve ser feito em relação aos músicos que estiveram no Paiol, no último fim de semana, acompanhando Johnny Alf: o saxofonista Idris Boudrioun (Nancy, França, 05/01/1958), radicado há 8 anos no Brasil e que já fez dois esplêndidos elepês como solista. Junto com Idris, vieram o baterista Ivo Caldas, 43 anos e o baixista Lúcio Maciel, 34. xxx
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br