Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Antônio Carlos Jobim

Antônio Carlos Jobim

Sexo e drogas entre as sete boas estréias

Sete estréias numa mesma semana - das quais pelo menos três dignas de verificação - trazem novamente aquela velha reclamação dos cinéfilos que não podem se "dedicar" em tempo integral aos filmes em exibição - que, muitas vezes, nem chegam a segunda semana.

CDs do ano - A volta de Luís Bonfá, em sua melhor forma e estilo

Afinal, neste final de ano, chega um dos álbuns mais aguardados: o retorno de Luís Bonfá, que há 18 anos não tinha um novo disco lançado no Brasil ("Jaracandá" aqui saiu em 1973 pela RGE), embora sua discografia chegue a 50 títulos nos Estados Unidos. Reconhecido como um dos influenciadores da Bossa Nova, compositor, violinista e mesmo cantor eventualmente, com uma obra internacionalmente reconhecida, Bonfá é, para a geração idiotizada pelas FMs que colonizam corações & bolsos, um ilustre desconhecido.

DESTAQUES

Compositor: Antônio Carlos Jobim (*) Revelação de compositor: Péricles Cavalcanti Cantor: Emílio Santiago (Lp "Brasileiríssimas - volume 4", Sigla/Som Livre) Revelação de cantor: Edson Cordeiro (**) e Orlando Morais Cantora: Elizeth Cardoso (***) Revelação de cantora: Vangi Leonel (lp "Vangi", Sony Music) Arranjador: Chiquinho de Moraes Revelação de arranjador: Guga Stroetter (lp "Canções") Capa: Elifas Andreato ("Vai meu Samba, vai" e "Carrancas") Produtores: Hermínio Bello de Carvalho e João Carlos Botezelli

OS 10 MELHORES LANÇAMENTOS DE 1991

1. Nino Rotta por Solistas Brasileiros - Zé Nogueira/Guinga/Roberto Correa/Chiquinho do Acordeon/Théo de Barros/Luis Carlos Borges e outros - produção J. C. Botezelli (Pelão)/CICA; (*); 2. Songbook Noel Rosa - com Antônio Carlos Jobim, Caetano, Carlos Lyra, Cassiano, Djavan etc. - produção Almir Chediak (Lumiar Discos); (*); 3. Simples e Absurdo - Guinga/Aldir Blanc - participações especiais de Chico Buarque, Leila Pinheiro, Leny Andrade e outros - produção de Paulinho de Albuquerque (Velas); 4. Feliz - Celso Adolfo - participação especial do grupo Uakti (*);

Música Brasileira - As reedições chegam com qualidade

Por múltiplas razões, a reedição se tornou uma forma de gravadores tradicionais - ou mesmo produtoras independentes, na área nostálgica - para enfrentar estes tempos de recessão. Afinal, para as gravadoras que dispõem de grandes acervos não custa quase nada providenciar remontagens de gravações de artistas que passaram pelos seus estúdios. Infelizmente, a maioria dos lançamentos é feita de uma forma caça-níquel - e nisto a Continental é campeã absoluta - recolocando dezenas de vezes no mercado, com títulos e capas diferentes, as mais esdrúxulas montagens.

MELHORES REEDIÇÕES

1. Bossa Nova/Elenco: Nara Leão, Antônio Carlos Jobim, Baden Powel; Caymmi Visita Tom; a Música de Edu Lobo; Vinícius/Caymmi no Zum-Zumb. Reedição supervisionada por Tarik de Souza - Elenco/Philips/Polygram. 2. Naquele Tempo (Choros e Valsas) - Pixinguinha-Benedito Lacerda-Custódio Mesquita e orquestra - Garoto - Carolina Cardoso de Menezes - Coordenação Leon Barg (Revivendo, com fonogramas RCA). 3. Carnaval - Sua História, sua Glória (seis volumes) diversos intérpretes (Revivendo).

A força do 16mm em curtas e nos médias biográficos

Dos quatro médias-metragens que disputarão a premiação em Gramado, três foram rodados em 16mm, o que comprova que esta bitola continua a ser uma opção para projetos de cunho mais cultural - como é o caso dos médias. Afinal, se as possibilidades de exibição dos curtas no circuito comercial são reduzidas - apesar da chamada "lei da obrigatoriedade" que há dois anos não é fiscalizada (e que continua a justificar debates, reuniões e manifestos dos interessados), aos médias-metragens as chances de chegarem aos espectadores ainda são mais reduzidas.

O Paulinho que ficou americanizado

Se a saída para o músico brasileiro era o portão internacional do Galeão, como teria dito Antônio Carlos Jobim antes de conquistar a América, ninguém melhor do que os percussionistas entenderam este recado. Basta fazer um levantamento do número de instrumentistas de nosso país que acabaram dando certo nos Estados Unidos - entre outros países - para se perceber que os homens do ritmo foram privilegiados.

Amor e vida nas vozes de Marina, Libertad e Alaíde

Três cantoras, de diferentes gerações e origens, apresentando-se numa mesma semana, oferecem diversificadas oportunidades de se (re)apreciar/(re)ouvir os caminhos musicais em relação à criação-sensibilidade de comercialização.

Melhora o nível das músicas nas novelas

Na estimulante briga de audiência, as telenovelas estão reciclando suas trilhas sonoras. Longe vai o tempo em que as canções-temas eram escolhidas apressadamente, na base do "gosto" dos diretores das séries que buscavam, antes de tudo, promover e divulgar certos lançamentos - de discutíveis méritos. Embora, naturalmente, a inclusão de uma canção numa telenovela em horário nobre signifique uma catipultuada para o sucesso, hoje se busca o nível artístico sempre que possível.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br